LA ROCHELLE

Passamos somente um dia na cidade pois perdemos muito tempo na chegada procurando hospedagem, que acabou sendo em Rochefort. A estação de trem é muito bonita, do inicio do século passado, tem um mosaico enorme e super lindo.

Mosaico da estaçõa de trens, La Rochelle

Rua de La Rochelle

A arquitetura desta região da "Charente Maritime" é muito diferente da Bretanha, aqui as construções são em uma pedra calcárea quase branca, como se observa acima, e os telhados de telhas romanas.

O porto é muito antigo e as suas torres, cujas fotos estão abaixo, datam desde o século XIV:,

 

Torre "De La Lanterne"

 

Esq:"De Saint Nicolas",centro:"De La Chaîne",

dir: "De La Cathédral" 

 

O Grande Relógio, "Gros Horloge" e vista do porto, La Rochelle

Chegamos de manhã e fomos direto ao "Museu Marítimo de La Rochelle" onde está a exposição sobre o grande navegador Bernard Moitessier.

Os relatos sobre a exposição e sobre o veleiro Joshua estão no artigo: "Bernard Moitessier".

Navio Metereológico FranceI

Bandeirinhas na popa do FranceI

O museu é composto deste navio metereológico, de 1958, o FranceI  que foi todo restaurado, afim de preservar e mostrar como eram feitas as avaliações e previsões da formação e passagem das depressões climáticas no oceano Atlântico. E também de uma embarcação de pesca traseira, o  "Chalutier l'Angoumois", da mesma época. Possuem também mais seis embarcaçãoes, mas não estão em exposição. 

Deck do navio metereológico e proa da chalupa de pesca

Desde a cabine de comando, sala de telecomunicações e de equipamentos específicos de metereologia, passando pelas cozinhas, cabines, despensas até aos enormes motores, tudo impecável, mostrando como viviam e trabalhavam a bordo, marinheiros, engenheiros metereológicos e cientistas!

Depois do museu fomos procurar o Joshua, no lugar que nos indicaram. Não achamos e ficamos desconsolados pois ao perguntarmos nos informaram que havia saido para velejar e que, geralmente ficava muitos dias fora! Que tristeza, o Joshua era o nosso principal objetivo em La Rochelle...

Sem mais, seguimos para o passeio ao Fort Boyard,  que aparece num filme maravilhoso do Alain Delon, "Os Aventureiros".  É um filme  que fala sobre liberdade, loucuras, e  sonhos ... Me marcou muito,  quando tinha 16 anos. Comprei o filme e o Ricardo também gostou muito, então combinamos ir ver o Fort Boyard juntos. 

Barco do passeio ao Fort Boyard, La Rochelle

Fort Boyard, La Rochelle

O forte começou a ser construido , sobre um banco de areia, de nome "Boyard", nos anos de 1660, porque os canhões em ação na época deixavam um espaço sem alcance, prejudicando a proteção do estuário do rio Charente. A construção porém não foi adiante, ficando esquecida até o início do século XIX.

Fort Boyard, foto da internet

Entre idas e vindas, ele só foi terminado em 1848. Mas teve muito pouco uso pois a artilharia já havia se desenvolvido e resolvido o problema do espaço indefeso. 

Serviu de prisão, ficou anos no abandono, durante a 2ª guerra mundial foi refúgio dos nazistas. Foi comprado da prefeitura por um dentista que depois o alugou à televisão France2, onde foi palco de programas e jogos.

Fort Boyard, foto internet da TVFrance2

Ao voltarmos do passeio, fomos acompanhados por inúmeros veleiros que também retornavam, pois era domingo, final de tarde. 

Veleiro, La Rochelle

Veleiros e "paliteiro" atrás

O que nos impressionou muito foi a quantidade de mastros ao longo das marinas durante todo o caminho de volta! Um legítimo "paliteiro".

Mastros  nas marinas de La Rochelle

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



16/01/2010
0 Poster un commentaire

A découvrir aussi


Inscrivez-vous au blog

Soyez prévenu par email des prochaines mises à jour

Rejoignez les 3 autres membres