SÃO FRANCISCO DO SUL - PORTO BELO - FLORIPA

Estávamos nos preparando para a próxima perna até Porto Belo no dia seguinte, 14. Troquei o óleo do motor e, à tardinha, quando o vento deu uma amainada, saímos do cais para ficarmos na poita, onde a popa do TAO estava amarrada. Fizemos a manobra perfeitamente colocando uma patesca com um cabo amarrado na proa, no cabo da poita e, caçando-o pela proa conseguimos girar o barco no seu eixo. Depois de aproado para a poita, só foi puxar o cabo e a manobra estava feita! Assim nada nos faria perder tempo para a partida, que marcamos para o amanhecer do dia seguinte, 15.

Nesse mesmo dia foram chegando alguns veleiros de Joinville, pois era feriado nacional da proclamação da república. Naquela noite recebemos a ligação do Pedro Wolff, tripulante do Lampejo, dizendo que eles já estavam ancorados na praia de Daniela, Florianópolis, depois de uma velejada de muito trabalho e cansaço, pois o tempo foi duro, com muito vento e ondas.

Mesmo assim ficamos felizes por terem chegado bem!

Dia 16 saímos como previsto, às 6:10 com destino a Porto Belo., 68 milhas adiante. Fomos arrastando lama na saída por causa da maré baixa. Com o motor empurrando fazíamos 5 knots no máximo por causa do vento e corrente contrária. Ao chegar na ilha da Paz, guinamos para boreste e com a mestra no 1º rise começamos a ganhar velocidade! Ao apontarmos a proa para o destino, já voávamos a 7 knots, no mínimo, agora também com a genoa aberta!  O vento era de través e as ondas de alheta. Estávamos sozinhos em mais essa jornada!

A Marga oscilava em cochilos e observações do mar e das nuvens. Ela estava lendo um livro muito interessante sobre observação de nuvens, então aproveitou para por em prática seus novos conhecimentos! Volta e meia ela cortava o silêncio me explicando sobre a forma e os nomes de algumas nuvens.

No través de Itajaí apareceu um bando de golfinhos pulando na proa do TAO. Já na grande enseada de Porto Belo a Marga me chamou a atenção para uns sprays de água a uns 200 metros do TAO. Era uma Baleia Franca, com seu característico jato em forma de “V”! Logo depois outra também apareceu! Elas devem estar se preparando para descer ao sul, como nós, de volta a “suas casas”!

Chegamos às 16:30 tranquilamente. Se descontarmos o tempo perdido na Baía de Babitonga, nossa média fora de 7 knots!

Neste mesmo dia liguei para o Pedro wolff para saber do Lampejo e ele me disse que estava em Floripa, no Iate Clube Veleiros da Ilha e ele em Porto Alegre, trabalhando.

Dia 18, quinta-feira, seguimos até Florianópolis com tempo meio estranho, mas queríamos encontrar nossos amigos! Ao chegar perto da ponte, nuvens ameaçadoras nos rodearam. A Marga começou a dar nomes a elas e eu a ficar com medo! Momentos depois ela me diz que estávamos bem embaixo de um Cumulus Nimbus gigantesco! Eu só queria chegar no clube, mais nada! Mas felizmente só pegamos chuva já aportados e protegidos. E a tal nuvem caiu lá para o lado do continente, ainda bem!!



04/01/2011
0 Poster un commentaire

A découvrir aussi


Inscrivez-vous au blog

Soyez prévenu par email des prochaines mises à jour

Rejoignez les 3 autres membres